Como explicar a morte e morrer para crianças

Mãe consolando criança

A morte e o morrer são uma parte inevitável da vida de todas as pessoas, incluindo as crianças. Explicar a morte de uma criança muitas vezes pode ser desconfortável, mas fornecer informações honestas e factuais ajudará a criança a sofrer de maneira saudável. Aprenda o que dizer a crianças de várias idades e também quando procurar ajuda profissional.

Dicas para falar com as crianças sobre a morte

Falar com as crianças sobre a morte nunca é fácil e não é algo que os pais e responsáveis ​​preferem mencionar. Explicar a morte às crianças pode ser mais fácil quando elas não têm tantas emoções envolvidas. Por exemplo, você pode aproveitar a oportunidade para criar momentos ensináveis ​​quando as crianças se deparam com insetos mortos ou veem a morte em um filme. Discutir a morte em termos gerais pode ajudar a preparar os cuidadores e as crianças para melhor compreender e lidar com mais mortes pessoais quando elas ocorrem.



Artigos relacionados

O que dizer

Ao explicar a morte de crianças de qualquer idade, Hospicenet.org recomenda manter estes pontos-chave em mente:



  • Forneça informações precisas.
  • Esteja à vontade e aberto com seus sentimentos para que seja mais fácil para as crianças falarem.
  • Use explicações adequadas, compreensíveis, simples e rápidas.
  • Sempre assegure aos filhos que não há problema em ter sentimentos e em falar sobre eles.

O que não dizer

O Instituto de Desenvolvimento Infantil oferece esta lista de palavras e frases a evitar ao explicar a morte a crianças.

  • Evite fazer uma conexão entre a morte e o sono. Não diga coisas como 'ela morreu durante o sono' ou 'a morte é como dormir'.
  • Evite falar sobre 'descanso eterno' ou dizer que o falecido está em seu 'lugar de descanso final'.
  • Não diga a seu filho que a pessoa 'foi embora'.
  • Evite compartilhar que a pessoa morreu porque era velha ou estava doente.
  • Não diga a uma criança que 'Deus a levou para o céu' ou que o falecido está 'com Deus agora'.

Embora algumas dessas palavras e frases possam parecer reconfortantes ou seguras, elas podem ser confusas e assustadoras para as crianças.



Quando procurar um profissional

Falar e lidar com a morte pode despertar muitas emoções e ser difícil de controlar. Marie Curie , uma organização que oferece suporte a pacientes terminais e suas famílias, sugere procurar ajuda profissional de um conselheiro ou terapeuta se seu filho apresentar algum destes sinais de alerta:

  • Humor deprimido frequente e duradouro
  • Comportamentos autolesivos
  • Fale sobre se juntar a uma pessoa falecida
  • Mudanças nos hábitos alimentares
  • Quaisquer mudanças importantes e duradouras no humor ou comportamento

Explicações para crianças

Bebês e crianças menores de 3 anos não conseguem entender muito sobre a morte, de acordo com o Centro Nacional para Bebês, Crianças e Famílias em Zero a Três . Durante esta fase da vida, as crianças podem reconhecer mudanças em seu ambiente, incluindo emoções de rotina e do cuidador. Se uma criança desta idade perguntar sobre um ente querido falecido, uma resposta simples como 'a vovó não está mais aqui, todos nós sentimos muito a falta dela' deve ser suficiente.

O Child Mind Institute recomenda manter a vida o mais normal possível para crianças muito pequenas para ajudá-las a enfrentar a morte. Se você estiver tendo problemas para controlar o luto durante esse período, peça ajuda à família e aos amigos para manter a rotina do seu filho.



Explicações para pré-escolares

Crianças de três a cinco anos tendem a ter uma visão literal do mundo. KidsHealth.org sugere o uso de uma redação básica e concreta ao fornecer explicações sobre a morte a essa faixa etária. Dizer coisas como 'o corpo da tia Jane parou de funcionar e o médico não conseguiu consertá-lo' é apropriado. O Child Development Institute concorda com essas sugestões e acrescenta que o uso de explicações que incluem a ausência de funções corporais normais pode ser útil. Um exemplo seria dizer que 'o corpo do papai não funciona mais, então ele não pode falar, comer, se mover ou usar o banheiro'.

Os especialistas em Healthychildren.org alertar que explicações exclusivamente religiosas não funcionam bem com essa faixa etária porque a informação não é um conceito concreto que crianças pequenas entendem facilmente. Crianças em idade pré-escolar não entendem que a morte é permanente, definitiva e acontece com todos os seres vivos. É importante ter em mente como a mente de uma criança processa as informações nessa idade, para que você não a confunda ou sobrecarregue.

Emoções comuns e como enfrentar

O luto é uma experiência incrivelmente individualizada e as crianças podem enfrentá-lo e vivenciá-lo de várias maneiras. Crianças muito pequenas podem sentir raiva, confusão, ansiedade, tristeza ou indiferença. Todas essas são emoções comuns para crianças dessa idade que lidam com o luto. The Fred Rogers Company sugere algumas maneiras pelas quais os cuidadores podem ajudar as crianças pequenas a lidar com essas emoções:

  • Abraço frequente
  • Falando sobre o falecido
  • Passando um tempo tranquilo juntos
  • Incluindo crianças em expressões familiares de luto
  • Faça um desenho sobre os sentimentos

Perguntas comuns e exemplos de respostas

Nessa idade, as crianças podem fazer perguntas que parecem inadequadas ou difíceis de responder. O Hospicenet.org sugere que os adultos podem dizer que não sabem a resposta, em vez de inventar algo na hora. O Centro de Cura compartilha que é comum que as crianças dessa idade sejam repetitivas com as perguntas que fazem. Isso faz parte da maneira como as crianças aprendem, portanto, tente ter paciência e sempre responda às perguntas com uma resposta consistente.

Algumas perguntas que você pode ouvir dessa faixa etária são:

  • Uma pessoa morta pode comer, ir ao banheiro, falar, etc.?
    • Exemplo de resposta: Não. Quando uma pessoa morre, todas as partes do corpo param de funcionar.
  • O falecido estará em casa para o jantar?
    • Resposta de amostra: Sinto muito, mas ele não estará aqui para jantar hoje ou em qualquer outro dia.
  • Para onde vão os mortos?
    • Resposta de amostra: Ninguém sabe realmente, mas eu acredito (insira suas crenças aqui).
  • Você vai morrer?
    • Resposta de exemplo: Espero viver muito, muito tempo. Não importa o que aconteça, alguém sempre estará aqui para cuidar de você.

Recursos adicionais

Zero a Três recomenda estes livros para crianças pequenas e pré-escolares que estão aprendendo sobre a morte:

Explicações para crianças em idade escolar

Nível de Compreensão

Hospicenet.org compartilha que crianças de seis a dez anos não vêem a morte como algo que pode acontecer em suas vidas, mas eles percebem que é definitivo. Também é comum que as crianças desse grupo personifiquem a morte pensando nela como um esqueleto ou anjo que vem para levar as pessoas embora. As crianças podem acreditar que seu comportamento pode fazer com que alguém morra ou volte à vida. De acordo com Kidshealth.org, crianças em idade escolar procuram explicações honestas, simples e precisas.

Uma forma de iniciar conversas sobre a morte com essa faixa etária é perguntando o que a criança já sabe e pensa sobre a morte, de acordo com Hospicenet.org. Isso pode dar aos cuidadores um ponto de partida junto com a oportunidade de corrigir qualquer informação imprecisa.

Emoções comuns e como enfrentar

O Instituto Nacional de Saúde compartilha um recurso que diz que as crianças em idade escolar podem passar por uma ampla gama de emoções ao pensar ou lidar com a morte, tais como:

  • Raiva
  • Culpa
  • Ansiedade
  • Negação
  • Regressão
  • Medo da morte
  • Problemas físicos como dores de estômago

O aconselhamento de crianças durante o luto pode acontecer de várias maneiras. Uma maneira de ajudar é abordar a criança de vez em quando para fazer perguntas abertas sobre como ela está lidando com a situação. Mantenha simples; algo como 'Eu sei que você realmente sente falta de [nome da pessoa que faleceu] e eu também. Como vai?' Então espere por uma resposta. Se a criança disser que está bem, diga a ela que se ela tiver um momento em que não se sentir bem, você está disponível para ouvir se ela quiser falar.

O Community Hospice Grief Center e a UC Davis oferecem estas maneiras de ajudar as crianças a lidar com seus sentimentos:

  • Dê-lhes a chance de falar com a pessoa morta por meio de uma carta no caixão ou do balão.
  • Incentive saídas criativas, como escrever histórias e fazer desenhos.
  • Relembre o falecido.
  • Reúna-se com outras pessoas sentindo-se da mesma forma, como família ou amigos.
  • Incentive a atividade física para ajudar a evitar que os sentimentos fiquem presos.

Perguntas comuns e exemplos de respostas

Nessa idade, as crianças podem estar interessadas em saber como é a morte, tanto interna quanto externamente. Algumas perguntas comuns são:

  • A morte é como dormir?
    • Resposta de amostra: Não, quando dormimos nosso corpo ainda está funcionando porque ainda respiramos e nos movemos. Quando uma pessoa está morta, seu corpo não funciona.
  • Por que ela morreu?
    • Resposta de amostra: Existem muitos motivos diferentes pelos quais as pessoas morrem. A maioria das pessoas morre quando seu corpo envelhece e tem problemas para trabalhar.
  • Eu vou morrer?
    • Resposta de amostra: Todas as coisas que estão vivas morrerão um dia. Você e eu planejamos viver muito tempo.
  • Dói morrer?
    • Resposta da amostra: Normalmente não. Quando um corpo está morto, não pode sentir absolutamente nada.
  • O que acontece com os cadáveres?
    • Resposta de amostra: Depois que um corpo morre, ele precisa ser cuidado porque sua aparência mudará. Algumas pessoas optam por enterrar os cadáveres em um cemitério aonde vão para se lembrar dessa pessoa.

Recursos adicionais

Essa faixa etária tem acesso mais fácil aos serviços de aconselhamento, já que a maioria das escolas possui um conselheiro escolar, assistente social ou psicólogo disponível no local. Muitos desses serviços administram grupos especializados para crianças que lidam com problemas comuns, como divórcio e luto. Se você acha que seu filho se beneficiaria de alguma ajuda extra, entre em contato com a escola de seu filho para descobrir quais recursos estão disponíveis para você gratuitamente.

Nessa idade, as crianças normalmente não passam muito tempo sozinhas online, mas existem sites como ChildrenGrieve.org e Kidsaid.org que oferecem informações e atividades para eles. Existem muitos livros disponíveis para ajudar os pais a falar sobre a morte com os filhos. UC Davis recomenda Vivendo o Processo de Morrer: Um Guia para Cuidadores, de Jody Gyulay. Livros para crianças também estão disponíveis:

Explicações para adolescentes

Nível de Compreensão

A essa altura, os adolescentes entendem a morte da mesma forma que os adultos. Eles compreendem que a morte é final, permanente, inevitável e tem muitas causas. Isso pode tornar mais fácil explicar o morrer porque os jovens podem entender mais facilmente um conceito tão difícil. Embora os adolescentes possam compreender facilmente o que a morte significa, Healthychildren.org sugere que os adolescentes podem ser mais resistentes a expressar tristeza do que as crianças mais novas. Embora os adolescentes entendam o que é a morte, eles agora lutam contra a morte de uma forma muito mais filosófica.

Este pode ser um bom momento para envolver suas crenças religiosas nas discussões com seu filho. Ao aprender o que os outros acreditam sobre a morte e o propósito da vida, os adolescentes podem formular opiniões e respostas satisfatórias.

Emoções comuns e como enfrentar

Adolescentes enlutados sentirão muitas das mesmas emoções das crianças mais novas: tristeza, raiva, culpa e desamparo. Durante o processo de luto, é comum que os adolescentes demonstrem culpa por estarem vivos quando um ente querido morre, bem como raiva por não estarem no controle da vida e da morte.

Healthychildren.org sugere as seguintes maneiras de encorajar o luto saudável:

  • Esteja aberto para conversar ou sugerir conversar com outras pessoas.
  • Incentive saídas criativas como escrita e arte.
  • Ouça música para relaxar.
  • Use a atividade física para reduzir a tensão.
  • Ensine-os a pedir ajuda.

Recursos adicionais

O Rede Nacional de Estresse Traumático Infantil fornece uma página de recursos para jovens que pode complementar suas conversas. Além disso, algumas leituras que valem a pena são:

Morte como parte da vida

Falar sobre a morte pode ser difícil, mas você deve a seus filhos ser honesto sobre essa parte natural da vida. Informações factuais, juntamente com uma atitude aberta, podem ajudar as crianças a lidar com o luto de maneiras saudáveis ​​e adequadas.