Reinado de Terror na Revolução Francesa

Guillotine.jpg

Milhares morreram na guilhotina durante o Reinado do Terror



O Reinado do Terror na Revolução Francesa foi um período muito sombrio na história francesa. Não havia registros oficiais sobre quantos nobres e 'traidores' morreram na guilhotina; no entanto, algumas estimativas chegam a 40.000 pessoas.



Reinado de Terror na Revolução Francesa

Terror durante a Revolução Francesa pode ser considerado semelhante a um pêndulo balançando em reação a uma força. Enquanto a nobreza na França pré-revolucionária foi tomada com grandes gastos e propagação da riqueza do estado, enquanto deixava os plebeus sem nada, o Reino do Terror é freqüentemente considerado uma reação paranóica de expurgo.





Artigos relacionados
  • Diferenças culturais americanas e francesas
  • Vocabulário de roupas francesas
  • Palavras de saudação em francês

O reinado do terror começa

Os motins que essencialmente iniciaram o período oficial da Revolução Francesa conseguiram derrubar a monarquia e, como tal, estabeleceram um corpo legislativo. No entanto, havia várias facções, duas das mais poderosas sendo os jacobistas e os girondinos. Eventualmente, o Comitê de Segurança Pública foi estabelecido e foi efetivamente o governo da França durante o Reinado do Terror (1793 a 1794). Ele veio sob a liderança de um poderoso e radical jacobino chamado Robespierre.

Pensamento radical

Embora estivesse claro que a França precisaria estabelecer uma nova forma de governo, o Comitê de Segurança Pública não era a resposta que uma França faminta por Revolução estava realmente buscando. O Comitê, dirigido por Robespierre, presumia que qualquer pessoa da nobreza não tinha simpatia pela França ou seu povo e, conseqüentemente, deveria ser condenado à morte. Muitos foram mortos simplesmente por se associarem ou por terem laços com alguém de nobreza. A justificativa era que quem tinha nobreza era claramente contra o 'povo'.



fazendo sexo com uma mulher mais velha

Robespierre

Embora realmente não tenha havido uma única pessoa responsável pelo Reino do Terror na Revolução Francesa, o único nome que muitas vezes é sinônimo desse período de instabilidade causado pela cadeia de causa e efeito da Revolução Francesa é Maximilien Robespierre. Ironicamente, foi executado na guilhotina, como castigo adequado para aqueles que havia executado durante o breve período da história. Tão influente foi ele durante o Reinado do Terror, que sua prisão e execução em 1794 efetivamente encerrou o período. Ele foi amplamente influenciado pelo pensamento iluminista de escritores como Rousseau e Montesquieu.

As Ações do Comitê de Segurança Pública

O Comitê de Segurança Pública fez muito no curto período de tempo em que reinou. Um de seus primeiros atos foi criar o que ficou conhecido como Lei do Preço Máximo, uma lei que ajudava a estabelecer o preço máximo de bens básicos como os grãos. A ideia era que, ao forçar a venda de bens de primeira necessidade a preços mais razoáveis, a legislação seria contrariada. No entanto, aconteceu o contrário. As pessoas começaram a acumular grãos e outras necessidades para evitar ter que vendê-los a preços baixos.



O Comitê também criou essencialmente uma ditadura de guerra, que por sua vez fez com que milhares de nobres e elites francesas fugissem para salvar suas vidas. Também criaram a Lei 22 do Prairial, que essencialmente erradicou o direito de defesa, permitindo ao Poder Legislativo executar os chamados traidores com mais rapidez: sem um julgamento justo.



Relembrando o Reinado de Terror da Revolução Francesa

Parece estranho que a República cujo lema é igualdade, liberdade e fraternidade passou por um período tão violento da história. Pessoas como Maria Antonieta, Luís XVI, Madame Rolande e até Antoine Lavoisier perderam a vida na guilhotina. Robespierre, assim como vários outros líderes, também perderam suas vidas na guilhotina e o Reino do Terror acabou dando lugar a um governo francês mais justo.